Era uma vez...

(Fields of the Nephilim - Elizium http://www.youtube.com/watch?v=xsNwOMjmd-8 )

- Era uma vez...
- Bem, que início mais aborrecido, não te lembras de nada mais banal!?!
- Sabes, tanto tempo sem dizer nada deixou-me com a boca seca, os olhos vidrados e as mãos inquietas.
- Queres tu dizer sem nada para contar!
- Curioso, quem não te conheça poderá ignorar o nervosismo que tens sentido com o aproximar desta hora, o frémito com que golpeias as meias palavras que balbucias sem nexo, a intolerância que demonstras pelo silêncio que te consome, consome, te abre um buraco na alma e te reduz o estômago a poeira.
- detesto quando fazes isso!
- Isso o quê, lembrar-te o que faz bater o coração e arrepia a espinha de prazer?
- Isso de me quereres controlar, insistires que estás por dentro do jogo, que vives o que eu sinto, que sentes o que já não vivo, que não vives o que eu sonho ou que sonhas delírios de morte e de angústia pela viva que insistes estar por viver. Olha para ti e diz-me o que é real.
- Eu sou real, tu também o és.
- Não sou real, não posso ser! Sou uma aberração, um sabor amargo na boca, o corte do frio na cara nua, o palpitar das sombras e o nada, eu não sou nada!
- E no entanto falas, não é curioso?
- Falo contigo, quem mais está aqui para falar?!?
- Ele.
- Ele quem?
- O que ainda dorme, mas já não por muito tempo...
- Dorme? Queres dizer, que não esta morto?
- Morto!? Morto?... realmente, achavas que seria assim tão simples, morria e era tudo o que havia para dizer.
- Então há esperança, queres tu dizer? Que posso sonhar que irei voltar a ...
- Sentir? Sim, meu caro. Sentir, vibrar, correr, respirar, viver, tocar... matar!
- Troças de mim. Estou triste e doente e gozas com os meus desejos de liberdade.
- Liberta-te aos poucos, meu amigo, não caias no pecado da gula nem da luxúria. O dia de hoje não é igual aos de outros tempos. O mundo é grande e tu és um simples verme cósmico, pequenino, ainda te pisam.
- Sou um traço de giz na negra ardósia, um borrão de tinta nas mãos do incauto, uma mancha de lama nos sapatos do viajante e, no entanto, eu sou.
- Somos!
- Somos...
- Sim, somos. Agora, está na hora.
- Sim, sinto o nervosismo do momento, a febre a subir e o sangue a pulsar violento no coração.
- É tempo...


- Dr, pode chegar aqui por favor?
- Diga enfermeira, o que se passa?
- Acho que o paciente da cama 129 está com alteração nos sinais vitais, o pulso está a subir para 66 e a pressão a 120/60. Quer que o ligue ao electroencefalograma?
- Deve ser falso alarme, o paciente está em coma profundo há 2 anos, só está vivo porque ainda não chegou autorização para desligar a máquina e, além disso el...
- Dr, venha ver, acho que está a abrir os olhos!
- Enfermeira, chame depressa a equipa de neurologia, parece que o paciente está mesmo a acordar!

(O mundo é branco, estou cego de tanta luz)

Comentários

  1. Textos de suster a respiração. os teus. A sentir a velha adrenalina? Venham mais!

    ResponderEliminar
  2. lDeus e o Diabo a trocar confidencias na taberna, a jogar uma alma humana aos dados, é o que este texto me faz lembrar. Muito bom.

    ResponderEliminar
  3. Belos "sinais vitais" :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário