Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2012

Mulher

Imagem
Mulher Virgem sedutora fatal sem destino sem perdão (i)maculada no pedestal mesmo que penses que não.
É o que não parece nem padece.
Apenas vibra solta em paixões que lhe vão consumindo o corpo construindo a alma sabores odores olfacto apurado por tantas vezes não ver (o) jogo de ilusões amansado pelo desejo de querer ou crer ser.
É na efemeridade dos instantes momentos para sempre Mulher.
E o teu corpo sem mim numa distância que inventas. E o meu corpo em ti num retorno sem regresso.

Núpcias

Imagem
De manhã, lavo-te os ossos da bacia que chiam e que já trespassaram o músculo até aos olhos nus.
Na mesma bacia, mergulho a toalha corada e espremo-a em gotas da cor dos bons sonhos.
Com a mesma nudez dos olhos no desinteresse, vejo que as paredes têm mais expressão que a tua cara.
Lá fora é quase meio-dia.

E passados vinte anos (dezanove para ti e um para mim) é quase meia-noite e tu finalmente dormitas.
Garanto-me que o lençol de cima está afeiçoado o suficiente por ti para que não te possas mexer.
Deixo a torneira a pingar para que contes os segundos e saibas quando vou voltar.

Saio do quarto e penso que aquela é a pré-extinção exemplar.
Fico orgulhosa.
Aguardo ansiosamente pela próxima manhã só para ver-te a endurar mais um bocadinho.
Sabe-me tão bem quando penso que posso vir a conhecer mais do teu pano ósseo.
Sempre foi muito difícil chegar ao teu interior.

Ao contrário do que dizias antes de desenhares punhos fechados e abertos em mim, afinal, meu amor, sou uma boa esposa.

Espião duplo

Imagem
A noite estrangula-te o sangue pleno de nuances esbranquiçadas.
Para-te o ponteiro dos segundos, do raciocínio lógico,
e sentes que o longo precipício te cospe como um detrito asqueroso.
Devolve o corpo em que encarnaste.
Traz de volta a oferenda que fizeste a Moloch.
O odor pútrido, já indisfarçável, condena-te ao esquecimento,
a expiração, e mais nada.

PRECISO DE UM NADA

Preciso de um momento, em branco, vazio, no escuro, sem nada, ninguém. Um ápice só meu, congelado, fechado, sem cor, nem luz, Nem palavras, nem som, nem nada. Porque não compreendo nada, mas sinto demasiado. Tudo virado ao contrário. Preciso de um ocaso, parado, petrificado, selado, Entre os escaldões e o choque, antes do quente e da dor. Uma golfada, de ar, de sal, de menta, antes do colapso dos pulmões. Deixem-me parar, ficar, estar. Preparar para o embate, Um desejo derradeiro, final, retrospectivo. Não me digam, não façam, nem me perguntem nada. Concedam-me o mais importante, antes que a pedra me acerte ... Eu sei que este segundo vai acabar, que a vidinha depois continua Mas, agora, neste instante, digo-vos: não! Quero estar nua, inerte e sozinha. Quando a mágoa passar, então haverei de acordar e levantar o corpo do chão. MM' 16 Nov 2011

Pensamento articulado com cheiro a vomitado

Puta de sorte q'invoca a morte
Da triste vida que não sabe para onde aponta o Norte. Não sei escrever aquilo que julgo ler, Nem reparar no que os meus olhos conseguem ver. Inóspito é ser cego do merdoso do meu ego E reparar que navego no mar onde neva. Um tudo frio de um nada vazio da rota que me desvio.
Puta de sorte que é estar só, Estar roto e remendar com um nó. Estou ressacado.
(Poesia elaborado com o espírito do politicamente correcto é uma treta e não é poesia sentida)

De pé, seguiu caminhos que não estavam traçados

Imagem
De pé, seguiu caminhos que não estavam traçados E fumava todos os cigarros que conseguia encontrar, lembrando outros fumos , inspirava e expirava este . Este, que lhe chegou assim de nada , porque dizem que não há fumo sem fogo tentava encontrar a chama que se derretia num borrão aceso Tantas vezes se perguntava se isto era só isto … não podia ser , e procurava razões nas mais pequenas brechas do dia De noite revolta-se na cama Amanhã seria um dia com a mesma luz , amanhã …já sabia o que seria o dia Olhava o maço meio vazio , seria o segundo ? já não contava as horas para fumar cigarros onde o fumo se esquecia  e nunca se desvanecia Amanhã seria um dia , outro qualquer …de manhã iria ensaiar um sorriso, só porque dizem por aí, que de manhã se deve sorrir ao dia Nem nunca percebeu porquê , quando as manhãs eram tudo menos menos sorridentes . E os cigarros , de manhã, nunca lhe souberam bem Amanhã , se chegar … será que ainda conseguirá amar ? nunca se perguntou Deixou de se revirar na cama De pé…

THE TREE OF EFFORT

Do not give up on dreams, wilder and challenging it may seems
(By the way, standing wet and still will dry them out)

Wake up, do not give up, do not be blend.

Shout; just do what you have to do:
With open hand and closed eyes, think, have a glass of wine...

But please, put your courage on the line.

Step by step, though with pain, but no regret or sorrow
Mark a path in the wild, flare up your one tomorrow.

If the heart feels wild horses and torn, switch fear into fierceness.

Red fruits in the tree of effort will be born!


Have you ever really tasted other better sweetness?


MM’ 04 Nov 2011

Joy

Imagem
anseio pétalas de segredos que escondem o teu olhar de lobo na ponta dos dedos com que te rendilho os sonhos nas manhãs de abandono quando respiras o perfume do meu corpo em penumbra.
as árvores cintilantes há muito que choram a minha partida, mesmo quando a minha língua ascende ao céu da tua boca perdida de riso em vertigem na pele aveludada com que te humedeço os beijos lânguidos cor de gestos cristalinos.
de lábios embaciados pelo grito da ave louca, penetras-me na suavidade da nudez estonteante com que teces labirintos de seda, numa volúpia certa de gargalhadas pueris, assim a água que te escorre em mim, a toda a hora.
és pressa. sou poema. e as minhas mãos pequenas de menina acendem paixões que o teu amor devora.

Olho para ti - simplesmente

Olho para ti e penso que toda a beleza do mundo se espelha no teu rosto redondoOlho para ti a dormir e quero congelar o momento, tão doce, antes que acordesOlho para ti, comovo-me e choro desvairada e sem razão, por te amar tanto e não saber pararE saber que chegará um dia em que não mais poderei contemplar o teu rosto adormecidoOlho para ti e peço a um ser superior que me conceda serem primeiro os meus olhos a deixar de ver,Porque continuar a ver sem poder olhar o teu rosto perfeito enquanto respiras, seria pior do que morrer.E nada mais do que tu importa, porque és melhor que o meu ser imperfeito, e em ti me transcendi. E nada é tão simples como saber que este amor é eterno e maior do que o calor das estrelas.
Olho para ti, minha filha, meu amor.MM Dez 2011

(H)eras

Imagem
1% of monster - Mogway

Foi como se as mãos dela, de repente, ganhassem raízes aéreas, como as heras, para se agarrarem às paredes da minha pele e ficarem ali, a crescer lentamente até me cobrirem por completo.Não eram umas mãos especialmente vegetais. Não tinham a textura de troncos nem os dedos eram longos como galhos nem a palma fresca como as folhas. Mas procuravam-me como se procura suporte e eu passei a procurá-las como se procura sombra.As mãos dela germinaram aos meus pés sem que eu desse por nada. Primeiro, limitavam-se a procurar o sol e a romper o solo, a fazer-me cócegas nos calcanhares e a desenharem-me arabescos nos tornozelos com as pontas dos dedos. E passaram semanas sem que olhasse e as visse trepar as minhas pernas e subir os meus joelhos, como as ervas daninhas crescem sem que se olhe para elas. Quando dei por isso, já não conseguia arrancá-las das minhas costas. Julho chegou quando já me começavam a tapar a boca mas, por essa altura, já eu tinha aprendido a mordê-la…

Sou, por fatia, eu nesta poesia

Imagem
Destilo a cura para fugir à vida.
Lanço-me à cura, Dose de amargura Que até à morte perdura.
Estadia terminada, Desta vida atada A tudo o que é nada.
Parto inteiro, Com ideal verdadeiro, Que tudo é passageiro.
Imagem é tudo E o génio que é mudo Serve-se do seu escudo e Solta um grito agudo.
Exaltação desmedida Da vida perdida Que agora é desvanecida.
Toco um avião Sem tirar os pés do chão, Com uma vida na mão.
Perde-se a paisagem Num falhanço de coragem e Descarrila a carruagem.
Sou, por fatia, Eu nesta poesia, Parte do que queria.
Rompe-se o véu, Olho o céu, Não sou eu.
Estrela brilhante. Brilho ofuscante Da paisagem deslumbrante.
Cego de mim, Achar-me afim De sucumbir ao fim.

destapou-se de lençóis baratos

Imagem
Vestia assim, uma blusa larga de uma cor escura, dava para dormir.  Tinha-a comprado por aí num sítio qualquer, numa qualquer loja barata. Quando a comprou pensou vesti-la nos melhores momentos, hoje só lhe servia para dormir … enrolava-se o tecido mole, na flanela dos lençóis baratos, comprados num saldo qualquer.  Pelo menos, todo o espaço que lhe era oferecido numa blusa barata, tapava-lhe tudo o que julgava que tinha a mais.

Costumava ser bonita, costuma achar-se bonita, até há bem pouco tempo diziam-lhe que era bonita, pensou até que poderia ficar mais bonita com a blusa larga, sem cor que a definisse  Pensou até que a sua cama gostasse daquela enorme blusa…mas não gostava, ou nem dava por ela, ou enrolava-a nos seus lençóis residentes…

Hoje vestiu aquela blusa escura, sem cor definida, vestiu-a e tentou aconchegar-se a ela mesma, a blusa, macia que era, não tinha sido feita para dormir.
Talvez por isso lhe tivesse tirado o sono.

Antigamente dormia em silêncio, hoje habituava-se a ruídos…

Exílio

Imagem
Estou estritamente zonzo,
Sinto toda a minha complexa forma oval barulhando infinitamente.
Julgo-me um rodopiante carrossel sem fim aparente,  
Julgo-me como vestuário no seu processo de vira pureza,
Julgo-me como um cego que acabou de perder a virgindade do ver.
Estou esquisito
E no vasto silêncio ensurdecedor, paro e
Medito…
Não sente quem, o que está escrito?
Quem não se faz deambular pela autenticidade das linhas curvas.
Simples mito.

Emanuel Graça

Excessive

Num dia como os outros
Foram-se os segredos voaram desfizeram-se
Na normalidade do dia
Um dia como os outros.

Eram minha propriedade exclusiva
Com direitos de autor
Devidamente protegidos
E muito acarinhados.

Num dia como os outros
O sol ficou tão longe
E pouco me iluminava o rosto obscuro
Em trevas transformado.

E foi num dia como os outros
Que minha alma se foi
E fugiu de mim
Num espanto num fôlego num instante.

Escondo-me no medo
De a encontrar outra vez.
É hora de partir? Para onde?
Fogo água deserto degelo pólo norte.

Arde-me dói-me sufoca-me
Desinfectante
Preciso
Urgente
Não rimo
Arritmia
Verso
Ardor
Arrebato
Passo
Soturno
Eterno.

QUANDO É QUE ME VENS SALVAR ?..

Imagem
sms eu:

quando é que me vens salvar ? ...


sms tu:

achas que eu conseguia? achas-me à altura ?


...............................................................

sms eu:

Sim... até porque só tu me entendes nas minhas coisas mais esquisitas e complicadas ...E a ti , Meu mágico... sei que te percebo tão bem . Aprendi-te. Eu acho...beijo


sms eu:

E se algum dia me quiseres salvar... eu estou pronta para voar ao teu lado, como sempre, e sem medo de cair
( já conheço, tão bem, essa queda)  beijo :)


sms sms eu:

estava ali a arrumar a cozinha...
Aqui nesta casa que não é a minha, essa ainda não a encontrei :) e de repente deu-me uma saudade tão grande... lembrando-me daquela casa...  eu, a arrumar a cozinha  dos nossos jantares bifes e batatas fritas :) sei lá... Foi bom.  Beijo


sms tu:

Foi muito bom sim.


..........................................................................................................................................................................

... eu nunca gostaria tanto de ti se t…

Hoje acordei com vontade de dormir

Imagem
Na minha cabeça lerda só fluem retóricas de merda.
Contas, eu não as fiz.
Mas pelo que sei,
E diz ela que errei,
Sou mero pedaço de uma perdiz espatifada numa poltrona de um rei.
Vida é foda que afoga a moda do amor que não se droga.
Hoje sonhei,
Hoje acordei com vontade de ir dormir.

Emanuel Graça