Tenta contar até 3…



Parte I – A espuma negra

- Calma, respira fundo. Afinal de contas, o que é que te preocupa tanto?-

O meu homem esconde-se entre a espuma dos seus pensamentos, que o afogam até aos dias do desperdício. De tempo, de vida, de fome. Persegue a sua própria sombra com os olhos rasgados pelo medo de nada encontrar do outro lado. Toca na sua língua e corta-se nas palavras afiadas que esta guarda para certas ocasiões sociais, quando leva a bílis a passear ou se enrola nos bigodes veteranos da ventania de outono, rumo a sul. Até que se embala na arrepiante luz da manhã que antecede a longa noite de pesar…



Parte II – Nas minhas veias o teu sangue

…se disfarçares ninguém repara, acredita. Porque mesmo as pessoas que notam o óbvio deixam que o óbvio se omita por entre as frestas sombrias dos seus medos e inseguranças. Ah, se te julgas impotente para o fazer, que dirão os milhares, milhões até que o fizeram antes de ti? Navegam cegos entre miasmas e rezas a santos ausentes. Repara, observa bem, espreita pela fechadura das suas mentes, penetra nos nós pequeninos que lhes enrolam o dizer, fazer de morto, viver em vão, entre o vão das ondas e o ir, fugir, reluzir como uma estrela longínqua, tão fria que se envolve em léguas de nada.

- eu sei que não presto, sei que não presto, sei. Não presto agora que me consumo entre memórias que não quero voltar a viver. Não quero voltar a viver se tu não viveres, se tu não andares por entre as minhas memórias que explodem como minas sob os teus frágeis pés de seda. Eu queria ter o meu sangue dentro do teu coração, a latejar na veia proeminente da minha testa, que eu esfrego nervosamente enquanto penso em ti. Agora, nem sei se há um ‘ti’ para pensar, pobre de mim.-



Parte III - Sem ti, nada

Cancelei as minhas dívidas e é a minha voz que levanto. Primeiro, em tom baixo e fúnebre e com a chegada da última hora da madrugada, mais viva e loquaz. Quero despedir-me deste poente que me roubava a estrela da manhã, por entre dedos de vidro fosco por onde tu, por vezes em dias de chuva quente, ainda espreitarás. Pego no carvão e faço um último esquisso na parede da tua mente. Parece que me recorda de ti, das canções feitas de pétalas e do que dizias ser parecido com o meu olhar distraído e melancólico. Encerro este capítulo de forma épica e diagonal, sem que possam um dia unir os pontos da discórdia por tanto concordarem que tive o que merecia. Hoje, seca pele de réptil, abandono-te na maré pestilenta dos amores imperfeitos e peço-te, vai para longe e abandona-me de dentro de ti. E que quem te descubra abrace esta maldição como tua e a perpetue assíncrona e harmoniosa, como o renascer doentio do sol vermelho escondido atrás das saias da última madrugada.

- arrumo a alma num pequeno pacote, dela não sentirei falta, é funesta e faminta, arrasta para dentro de si o sopro do primeiro demónio que se fez inquilino no Eliseu e zombou de Deus. Há tantos anos que esperava por este momento, oh doce morte em vida, te abraço em serena plenitude. Antes vazio como a lua nova do que de ti prenhe e escravo. Agarro-me à lâmina quente que soltará as amarras deste vício sujo que é dar-te de comer. Solto uma última lágrima falsa e estendo-me no chão a escrevinhar no portátil. Diverte-me o piscar do cursor, faz-me lembrar as dores pulsantes de quando me ocupavas e violavas sem piedade. Crocodilo embalsamado. Impecável estado para colocar em cima do móvel ou no chão. Envio o email para o jornal e agarro-me ao telefone. Alguém ficará feliz com a oferta. Alguém me fará feliz por me amar sem nada me dizer. Alguém assentará num papel arrancado oportunamente de um pequeno bloco a morada. Alguém me virá buscar, cadáver. Nota mental: deixar a porta entreaberta antes de contar até 3…-

Comentários

  1. Se eu falo com "bicharada psicadélica" tu contas até três com ela :)

    "E que quem te descubra abrace esta maldição como tua e a perpetue assíncrona e harmoniosa, como o renascer doentio do sol vermelho escondido atrás das saias da última madrugada."

    ResponderEliminar
  2. Forte, Sombrio e Muito Bom. Parabéns. Adorei. ;)

    ResponderEliminar
  3. Um texto de leituras plurais. Na que fiz gostei sobretudo da abordagem do anúncio como metáfora. Continuo a achar que algumas das tuas combinações de palavras são particularmente belas (e muito tuas): a que a Tiil destacou ou esta "Quero despedir-me deste poente que me roubava a estrela da manhã, por entre dedos de vidro fosco por onde tu, por vezes em dias de chuva quente, ainda espreitarás."

    ResponderEliminar

Enviar um comentário