Reencontros (ou como as realidades paralelas são inúmeras e irremediáveis)




… A mão desliza pelo ombro nu. É a alma que acaricia, não a pele branca de luz. Toca tão ao de leve que fico presa nesse gesto de uma cor para a qual ainda não existe pantone.

Ver-te é voltar a ganhar vida e o louro dos cabelos curtos recuperam o brilho antigo.

Imagino que me reconheces os passos, quase sempre apressados, por vezes pesados pelo cansaço tingido de ausência. Raramente espero pelo elevador, mais pela impaciência, que pela possibilidade do constrangimento de ser obrigada a falar com alguém, quando me apetece silêncio. Silêncio que me escorre pela memória se entranha no vento do ar condicionado e se rebela aos gestos autómatos, na cadência do respirar. 

Cheguei tarde porque queria ter sido a primeira, com a arrogante certeza de que então seria única.

Sorris-me nesse verbo musical com que inventas metáforas aluadas. Nos teus olhos um lampejo de surpresa que não consegues disfarçar, quando me olhas depressa, como se não visses.

A tua mão no meu ombro desce até á minha mão abandonada no espaço, onde o tempo é lugar - comum. A tua mão em busca de memórias.
E eu a desejar começar. Algo novo, inolvidável e sem semelhanças.

Sem dizeres nada, vais demorando o olhar, agora intenso,  em vagas de marés de amores infinitos.
Pegas-me na mão e l-e-n-t-a-m-e-n-t-e ancoramos no desejo.

Invade-me uma brisa de aroma a vinho do Porto, não sei se de livros antigos, se de cigarrilhas… se dos teus lábios.

Comentários

  1. leio-te as divagações,
    em brisas de memórias feitas
    e ancoro o desejo
    na mão que desce o teu ombro nu

    ler-te é começar uma viagem misteriosa pelas palavras com alma com que nos prendes, obrigado por mais esta doce maravilha

    ResponderEliminar

Enviar um comentário