quinta-feira, 7 de agosto de 2014

CORPOS

Encostei-te à parede e fui arrancando suavemente a tua roupa. Os nossos corpos fundiram-se sedentos um do outro. Por momentos os nossos olhares digladiaram-se numa batalha silenciosa. O brilho do teu reflectia-se no espelho do meu.
Sorvi dos teus lábios a paixão, tu puxaste-me para ti como se fosse possível fugir àquele abraço furioso.
Fizemos dos lençóis uma praia silenciosa após uma tormenta. O suor misturava-se, percorri com os meus lábios cada centímetro do teu pescoço. Com as mãos viajei pelas curvas suaves dos teus seios. As tuas unhas arranharam-me levemente as costas e eu tremi de prazer. Um arrepio percorreu a minha espinha e explodiu na minha boca sob a forma de um suspiro. Os nossos gritos lutavam uma batalha desgarrada, cada um seguido do outro até à explosão conjunta.
A nossa dança parecia interminável, o coração acelerou, a adrenalina disparou e num momento de puro êxtase perdemo-nos no limiar da razão.
Uma sensação de liberdade tomou conta do meu corpo e abracei-te na tentativa de parar o tempo. O chão pareceu parar, ofegante e feliz beijei ao de leve os teus lábios enquanto meio rouco e tímido sussurrei nos teus ouvidos um amo-te sentido.
Ali ficámos abraçados, a olhar o tecto, sob o brilho ténue das velas, sob a harmonia da melodia que brotava das colunas e que agora se fazia ouvir de novo...
And I wonder if you ever wonder the same, I still wonder...
Fixei o teu rosto, o teu sorriso invadiu o meu olhar. Com um novo beijo selei o momento e chamei o sono.

Adormecemos ansiosos pelo dia para sonhar uma nova noite.

Bruno:Carvalho

1 comentário: