sábado, 31 de dezembro de 2011

Cliché das 3 da manhã.




Jeff Buckley foi uma gota de cristal num rio imerso de ruídos sentimentalistas.
Sofredor da mediocridade do mundo, celebrava desenfreadamente a dor que o mundo lhe provocava. Deambulava-se pela vida com o desejo ardente de paz e felicidade. Via-se, também, constantemente fustigado pela necessidade de descobrir a essência da vida e do amor. Apesar de toda esta complexidade aliada à sua pessoa, Buckley carregava paletes de exaltação às maravilhas com que a vida nos podia brindar. O mundo via um sonho com pernas passear-se por ele. Era ele, era o Buckley.
O presente é uma rajada de vento futura de um pretérito perfeito cujo alento resume-se ao intento de destruir o que já foi feito. Consciente da efemeridade da vida, julgava que seria sempre demasiado novo para dar pequenos passos e sempre demasiado velho para querer alcançar a poltrona.
Intrigado no que se baseavam os alicerces da vida, edificava sucessivamente sonhos e mais sonhos. Eram sonhos sonhados por um sonho. Eram sonhos de uma vida para uma vida. Edificava-os incessantemente.
Em ode constante ao sentimento, viu desvanecer-se prematuramente num sonho. Buckley arquitectava maresias de fantasias num mundo demasiado pequeno e com tamanho espaço para demasiadas fobias. Era um mundo que o assustava, intrigava, que o deixava estupefacto, incrédulo entre muitos mais vocativos. Assim como o rio que corre e o homem nasce e morre, o génio fica para a eternidade.
As memórias são meras chamas de fogo, que são fáceis de acender mas que tardam em se apagar. Por analogia, Jeff Buckley seria um incêndio em larga escala pois ainda hoje provoca um choro de saudade a muita gente. Jeff conseguiu fazer emergir a sua concepção acerca da vida através de uma maneira genial. Conseguiu com os sentimentos de uma geração flutuassem, juntamente com ele, ao largo do Mississipi. Carregou na sua alma o sonho que prevalece erecto, ainda hoje, em cada um de nós. Foi sublime.
Um último adeus que não foi dito. Uma dor muito além do que está escrito.
Haverá sempre um cristal cintilante que brilha no fundo de um rio. O rio flui, a vida continua. Continua comandada pelo sonho, graciosa. Sonho brio.

Emanuel Graça

7 comentários:

  1. Excelente post! Adorei! Transpira emoções e transborda montes de feeling! Os meus mais sinceros parabéns Emanuel! :))

    ResponderEliminar
  2. "Haverá sempre um cristal cintilante que brilha no fundo de um rio"
    E para começar escolheste logo essa tarefa espinhosa de converter em palavras algo difícil de definir: a marca de luz que a admiração incondicional por alguém deixa em nós. E citando o Pedro, transpira emoções. Parabéns pelo texto e pelo arrojo.

    ResponderEliminar
  3. Pedro, é verdade. Transbordei muita emoção para o «papel». Os meus sinceros agradecimentos.

    ResponderEliminar
  4. Sandra, obrigado pelo elogio. Sinto-me bastaste lisonjeado.

    ResponderEliminar
  5. O que faz com que aquela gota cristalina brilhe ainda mais. :)

    ResponderEliminar
  6. uma dor muito além do que está escrito ......

    excelente . Parabéns Emanuel

    Teresa Queiroz

    ResponderEliminar