domingo, 28 de novembro de 2010

O Anjo Destruidor (em III actos)

Parte II



13 de Junho
Querido Diário. Hoje é o dia mais feliz da minha vida, pois hoje sei que estou viva e que a vida em mim vibra ainda mais intensamente, pois vida trago dentro de mim. Abençoado seja Deus e os seus anjos, pois agora sei que um deles cresce dentro de mim.

8 de Julho
Querido Diário. Estou exausta mas feliz. Ainda não me habituei às náuseas, vómitos e tonturas repentinas. Mas sei que tudo é prova de amor, prova de que fui a escolhida…

22 de Agosto
Querido Diário. Abençoado seja o Senhor por me dar este menino. Foi o que me disse o doutor, é um menino, um menino! Sou a mulher mais feliz do mundo!

28 de Setembro
Querido Diário. Mal tenho forças para escrever, hoje pensei que fosse morrer. Acordei com sangue entre as pernas e em pânico fui de imediato ao hospital. Pensei que fosse perder o bebé, pensei que tudo estava acabado. Diz-me o doutor que não, que o bebé está bem mas que tenho que estar em repouso absoluto para que ele se volte a unir a mim com toda a sua força. Mas porque é que isto me aconteceu? Serei uma má mãe? Terei abusado da felicidade, sido inconveniente, mostrei falta de fé, terei sido pouco diligente? Amo tanto esta vida que em mim cresce, tudo farei para o proteger, até às últimas consequências!

24 de Dezembro
Querido Diário. Este é o mais angustiante Natal de sempre. Deveria estar radiante de felicidade, mas a impaciência, a imobilidade, as dores, a ansiedade está a deixar-me louca. Hoje, dia do nascimento de Jesus, sinto mais empatia por Santa Maria do que pela criança, pois só uma mãe compreende toda a extensão do sofrimento e martírio que é a génese de uma nova vida.

19 de Janeiro
Querido Diário. Já não suporto esta cama. Já não aguento que me digam que é uma bênção, que tenho que ter calma, que tudo irá correr bem… Por vezes sinto-me mais possuída do que grávida, é como se tivesse um ser estranho que me devora por dentro, a crescer e a deixar-me louca… Mas é o meu filho, eu amo-o, sei que não estou em mim por vezes, eu amo-o muito, amo-o muito… Mas, entre lágrimas escondidas, já me senti arrependida de engravidar. Mas isto fica entre nós, eu e a textura das tuas folhas, nunca ninguém poderá saber que me senti assim. Nunca!

30 de Janeiro
Querido Diário. Não sei se te volto a abrir. As dores são muitas, as contracções não param e vão-me levar esta noite. Dizem que a criança poderá estar a sofrer… e eu sei que a culpa é minha, as coisas que eu pensei, nunca o deveria ter feito. Simplesmente abraçar esta dádiva dos céus, nada mais. Não sei se volto, poderei morrer enquanto entrego esta nova alma à luz dos dias… deveria morrer, pois não sei que tipo de mãe serei eu. Tenho medo, tanto medo…

3 de Fevereiro
Querido Diário. Tudo vale a pena, tudo! Hoje sei isso, pois quando olho o meu filho, o meu menino nos olhos e o sinto junto a mim sei o que é o amor. Apresento-te o Raphael, o anjo que veio ao mundo para trazer cura e paz. Sei agora que seremos felizes, para todo o sempre.



31 de Fevereiro
Querido Diário. Sei que este dia não existe, mas deixa-me sonhar com um dia imaginário, onde eu consiga dormir um pouco, descansar por uma hora ou duas… Não estou a aguentar, o bebé não pára de chorar, mal dorme, agarra-se a meu peito sôfrego e depois quase não come… está a perder peso, está a sofrer. Mas eu sou uma boa mãe, eu sei amar e dar e … por vezes sinto que ele me despreza, me odeia, sabe que eu nem sempre fui feliz durante a gravidez e que poderei mesmo ter pensado que estaria melhor sem… mas não, é o meu filho, o meu filho.



11 de Março
Querido Diário. O meu bebé não sorri. Dizem para não me preocupar, que não é suposto sorrirem assim tão pequeninos, mas eu sei que é mentira. Ele exige tudo de mim, não consigo descansar um momento. Estou aqui a escrever estas linhas enquanto ele dorme, nem que seja só por uma hora ou duas. Sinto-me tão aliviada quando ele dorme. Vou também tentar dormir um pouco… boa noite, meu fiel amigo.

13 de Junho
Querido Diário. Faz hoje um ano desde a anunciação, como eu quis um dia acreditar. À minha volta todos parecem felizes, existe alegria, contentamento por se verem. O Raphael adora o pai, os avós, até os primos e os vizinhos. Mas sinto que não tem a mesma alegria quando me vê. Por vezes sinto até que me quer mal, que me tortura, que me puxa para além do limite. Por vezes vejo-o a brincar sozinho, com os seus bonecos, deitado no parque, tão pequeno… mas parece-me que lhes sussurra algo às minhas escondidas, que esperam pelo momento em que me sento e fecho os olhos para me chamar, com um grito ou choro repentino. Não consigo descansar, queria tanto poder dormir, mas cada vez que me sinto a entrar em sono profundo ele acorda, grita, berra, chora, tortura-me…

14 de Dezembro.
Querido Diário. Hoje o meu filho deu os seus primeiros passinhos. Ficaria muito mais alegre se fossem dados na minha direcção e não como quem quer fugir de mim. Algo não está bem com esta criança, ou serei eu que não sei compreender e amar este anjo que Deus me deu. Às vezes quase que sinto que me quer vergar, ver de rastos, destruir… sinto-me a desesperar e temo que um dia possa perder o controlo. Este bebé é especial, eu sinto-o, pela maneira como prende a atenção de quem dele se aproxima, pelos olhos vorazes com que apanha tudo o que o rodeia, pela maneira como parece conjurar baixinho quando o deixo só entre os seus brinquedos… Por vezes sinto que mais alguém está com ele e que ele sabe-o, escuta os sopros do vento e os estalidos da madeira, procura algo nos seus livros infantis que para mim é invisível, mas para ele está lá… eu oiço-o nos meus sonhos e sinto-o nos meus pesadelos. Isto quando ele me deixa dormir…

22 de Janeiro
Querido Diário. Hoje cheguei ao meu limite, sinto-me a enlouquecer e ninguém repara! Mas ele sabe, o Raphael sabe… é ele que me faz enlouquecer, este menino é especial, sem dúvida, mas não é o anjo que eu esperava. É apenas uma criança, repito para mim vezes sem conta, apenas uma criança. Tenho que ter paciência, ele precisa de mim, para comer, tomar banho, vestir, cuidar, adormecer, precisa de mim, é por isso que chora, eu é que não lhe sei dar o que precisa. Mas eu estou tão cansada, tão cansada…




26 de Março
Querido Diário. Finalmente sossego. Agora vou adormecer, sem que ninguém me acorde.

2 comentários: