Close up




O meu verso sentou-se, cansado, estiraçou as pernas, enrolou-se meio adormecido e olhou o relógio de mocho suspenso na parede em frente.

Esquisito aquele relógio com dois ponteiros - só de horas- um em cada olho. Ambos marcavam 3 horas, só que no olho da direita era sempre de noite e no olho da esquerda era sempre de dia (ou ao contrário, ele nunca tinha a certeza).

Ao meu verso apeteceu-lhe bolinhos (é um pouco louco e desorganizado o meu verso), um banho de abacate com perfume de violetas e cobriu-se depois, todo nu, com um roupão turco e macio cor de vinho forte.

Reclinado, projectou na parede do lado um slide onde se via muito vento (disse ele, vento).

Que chatice de vida, pensou. Se todas as mulheres se apaixonassem por mim, deixaria de haver complicações, angústias, amarguras, ciúmes ou remorsos. Tudo estaria certo e a vida correria feliz.

Mas não era nada disto que acontecia, disse ele subitamente alto, enquanto dava um pontapé num dos bolinhos.

Um pouco enjoado com os bolinhos (que aliás odiava) - é completamente doido já vos disse - o meu verso levantou-se e resolveu ir-se embora na noite.

Quase 4 horas, pensei, olhando o relógio que, em desassossego, parara. 4 da manhã do dia ou da noite? Tanto faz, ele é tempo, espaço e movimento. Embora não entenda nada do assunto.

Olho para um dos cantos da sala e percebo ali um espelho.

Um espelho.

Vou até ele lentamente e vejo um vulto um pouco diferente.

Vejo-me enfim transformada em mim mesma.

Numa perspectiva inesperada.

Comentários

  1. desculpem ter posto este post "em cima" do outro.
    Só depois é que reparei.

    Penso que devem ter algum espaço, ou não? Por mim, deveria.

    Obrigada

    Fernanda G

    ResponderEliminar
  2. Agradavelmente incomum o universo da sua escrita, pelo menos a julgar por este texto. Gostei muito.

    ResponderEliminar
  3. inquietante, gostei imenso deste teu twist surrealista!

    cheia de truques e surpresas, já percebi, isto vai ser animado!!

    ResponderEliminar
  4. Conseguiste transportar-me para um local rodeada de crianças para lhes contar a tua história.Gostei muito...parabéns!

    ResponderEliminar
  5. como se uma parte de um quebra-cabeças agora estivesse pronta e nos permitisse mergulhar ainda mais profundo...Parabéns!gostei muito!

    ResponderEliminar
  6. Esse verso... :) Essa "perspectiva inesperada"... V*
    Quero ler mais Lazuli, muito interessante.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário