Estranho(s)



É importante para mim
Que depois do dia venha a escuridão
Que a cegueira não nos tire a visão
Que o mundo seja feito de ilusão
Até que descubro por fim
No meio de tanta inquietação
É só mais um dia, enfim

É tão importante para mim
Compreender porque temos que viver
Arrumados em caixas, a enlouquecer
Presos a detalhes, sem nunca saber
Que tudo se dilui no dia de morrer
Entender porque me sinto assim
Tão ansioso por conhecer
O que causa o frenesim

É então que descubro, em mim
O estranho que sempre procurei
Mas que nunca encontrei
Até me encontrar, por fim
Um sentimento de infinita plenitude
Por reconhecer no estranho em ti
Outro igual a mim

Comentários

  1. Imaginação, Liberdade.
    Conhecimento, Investigação.
    Amor, Saudade.
    PS. Afinal, é mesmo genético! ;)

    ResponderEliminar
  2. Mas... se não soltamos o que foi bom, ocupamos o espaço do que pode ser ainda melhor...as palavras são sementes...e é tão bom ler te Nuno Oliveira!!:))

    ResponderEliminar
  3. Estranhos até ao fim. Texto inquieto e importante!
    "É tão importante para mim
    Compreender porque temos que viver
    Arrumados em caixas, a enlouquecer". :)

    ResponderEliminar
  4. Mostrar a alma quase nua, coberta apenas pelas pelas incertezas nas palavras...é esta a "infinita plenitude" da poesia... "Estranho" e bonito.

    ResponderEliminar
  5. Bom . Muito bom! Entre a aceitação e a interrogação. Entre o ser e porque não ser. A vida na sua plenitude!! Tudo isso que ela própria é. A vida. Estranha. Inquieta. Quieta. Igual. Tão indelevelmente igual. Bem escrita. Melhor retratada. Obrigada.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário