Cimento




Ao sair, deixei de respirar,
a atmosfera violeta
apaga-me a luz da consciência,
sinto o sangue jorrar pelos olhos fora.

Passo daqui a pouco nessa esquina obscura
de onde me fazes tropeçar,
regurgitar, vomitar, a minha incapacidade de expressar
todo o silêncio que vela o espantalho oco da minha inexistência funcional.

Quero meter os dedos pelos olhos dentro
e berrar até emudecer,
partir para outro pântano longínquo,
e por lá nadar habilmente como faço nesta piscina de cimento.

Comentários

  1. Afinal o vulto só precisava mesmo de ganhar balanço...

    ResponderEliminar
  2. O_vulto, este poema tem uns versos, palavras... imagens... gosto muito

    ResponderEliminar

Enviar um comentário