quarta-feira, 23 de março de 2011

Saudade

Quando penso
que consigo manter a promessa,
a chuva traz-me
a tua memória
envolta
em céu de veludo azul

cintilante
o teu olhar,

de esperas
e palavras proibidas.

Danço na chuva
uma musica antiga,
assim
a fruta madura,

o sentir sem nome,
o corpo em febre,
as
mãos
vazias
de
ti
.

Como resistir aos dias em que a memória me trai?

5 comentários:

  1. Os dias em que a memória não te vai trair, porque o que escreves é um registo tão intenso que ~perdurará para além da vida.

    Tão bonito!

    Beijos do Sul que também é teu

    ResponderEliminar
  2. Acreditando nas estrelas!

    ResponderEliminar
  3. Como se ela (a chuva) nos vivificasse, desidratados, de mãos em concha a recebê-la.

    ResponderEliminar
  4. A poemas AnaMar não se resiste. A memória não nos trai sobre o que se lê, é garantido, sempre foi assim :)

    ResponderEliminar
  5. É dificil esquecer quando é tão sensivelmente descrito e entra directo no nosso coração. Gosto muito

    ResponderEliminar