O brandir da Espada



O brandir da espada,
o grito libertador,
o peito fremente, fermenta a populaça no agitar das bandeiras,
Ovação, triunfo, aclamação.

Respirar fundo,
olhar em volta,
esgares sem convicção,
o perfil lunar da face ascendente.

Cai o pano

Descende da face lunar, o perfil sem convicção,
esgares em volta, um olhar, fundo, respira.
Aclamadas as bandeiras agitadas,
Fermenta a populaça num triunfo ovacionado.

Fremente, o peito liberta o grito da espada brandida, outrora.
Como um pano caído. Escarlate.

Comentários

  1. O_vulto, poemas que cabem na palma mão mas que não se deixam domar por uma mão fechada... nem por nada. Palavras que dobram a espada :)

    ResponderEliminar
  2. Fiquei de queixo caído. Palavras intensas, breves, eloquentes. Palavras-arma,palavras no lugar certo, no ritmo certo, na beleza certa.
    E a minha admiração.
    Um abraço.

    Fernanda Guadalupe

    ResponderEliminar
  3. Bom ver-te, de espada em riste, a desenhar palavras entre os ventos

    ResponderEliminar
  4. "O vendo sopra, o barco tem medo:
    às armas, às armas!
    E o capitão,não sabe o segredo..."

    épico-nostálgico-sangrento-desalentado. Gostei.

    ResponderEliminar
  5. :D Bem acrescentado, esse excerto dos Herois do Mar. Grandes

    ResponderEliminar
  6. Este comentário é valido para todos os teus poemas. Consegues dizer tudo no mínimo de palavras sem tirar ao leitor o prazer de brincar com o lado conotativo das palavras. Sempre admirei autores com este poder de síntese em poesia.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

#LoveLetter_AITD