sábado, 5 de março de 2011

Transparência



Vejo em ti:
Esse egocentrismo do teu silêncio.
Esse superior desinteresse pelo mundo.
Essa tua altivez no nunca pedir.
Essa autoconfiança dos que acabarão sós.
Essa tão característica disposição para o desastre.

3 comentários:

  1. Já conhecia porque tiveste a delicadeza de o emprestar para a efémera "Máquina". Lindíssimo. O tal raro poder de síntese em poesia.

    ResponderEliminar
  2. Também já conhecia mas nunca é demais reler. Tal como disse a Sandra tens o dom de condensar muito bem muitos estados de alma e ideias na tua poesia. Gosto muito. Rematado com uma excelente frase.

    ResponderEliminar
  3. Uma poesia que parece críticar... mas onde se sente um "a minha paixão vem daí". Ao estilo poético Rui Barroso.

    ResponderEliminar