Nespereira



Havemos de ir ainda à mesma árvore
Que trepávamos numa indolência animal
E ficar a tarde toda deitados nos seus ramos,
A dizer disparates ao sol,
Tu e eu, como aos 10 anos.

Hei-de fazer um amuleto
Com o teu sorriso intacto,
Perfeito
E andar com ele sempre preso ao peito
Para nunca me esquecer de rir também.

Um dia ainda há-de ser
Tudo tão simples como antes.

Comentários

  1. um dia ha de ser...e mais uma vez deixas te me com um brilho no olhar e um sorriso de felicidade!!

    muito bom!! gostei tanto miuda girissima:))

    ResponderEliminar
  2. simplesmente bonito e leve como a brisa que afaga a nespereira

    ResponderEliminar
  3. Nem imaginas a afinidade que tenho com as nespereiras. :)
    Na busca do que todos querem: minutos encantados de simplicidade, mas ao mesmo tempo e, como este poema, ricos de imagens e sabores complexos. Está provado!

    ResponderEliminar
  4. Sabes? As nêsperas são mais doces quando descascadas pelas mãos de um amigo. ou de um amor :-))
    Belo poema.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário