Impacto...

No ar… 1 volta… 2 voltas
Impacto… 1 vez… 2 vezes… 3 vezes
Fumo, confusão, desnorte
Esperava a dor… A dor nunca chegou
Esperava o sangue… O sangue nunca jorrou
A consciência nunca se perdeu
Apenas me perguntei – afinal o que sou eu?
Um fantoche no meu próprio mundo
Marioneta da minha imaginação
Pensamentos negros e profundos
Para os quais não procuro explicação
Relembro o ruído
Mais ensurdecedor do que o silêncio absoluto
E o metal contorcido
Mais dobrado do que um coração partido

Comentários

  1. Uma memória traumática capturada em câmara lenta, revivida, a lucidez de tudo, que ainda doi mais, mesmo sem dor nem sangue.
    "Relembro o ruído
    Mais ensurdecedor do que o silêncio absoluto
    E o metal contorcido
    Mais dobrado do que um coração partido." Como te disse noutra "capelinha", gostei, muito genuíno.
    E música para o acompanhar, já pensaste? ;)

    ResponderEliminar
  2. Coração de metal em poema de sentomentos contorcidos.
    gostei.

    ResponderEliminar
  3. Obrigado Anamar :)
    Bicho d'Ouvido - não pensei em musica porque como te disse, noutra capelinha, este é 100% genuino... e o unico som que me ocorre é mesmo o do impacto e o do metal a contorcer... :(

    ResponderEliminar
  4. diálogos metálicos com o eu orgânico

    ... e não queres mesmo sugerir uma OST?

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. lembrança de algo...boas ou más, as lembranças, memórias podem ser atenuadas mas nunca apagadas!

    ResponderEliminar
  7. Quando a dor e o sangue têm a importância de nos fazer sentir vivos e não existem... a angústia marcada a ferros na apatia do ser. JTH, poesia em impacto da qual quero v(l)er mais.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

#LoveLetter_AITD