quinta-feira, 2 de junho de 2011

Pensamento fugaz

Existe um momento em que a mente do espectador e a do artista se tocam.



Nesse momento, desvela-se a suposta separação (afinal ilusória)
e, numa continuidade de consciência(s), embalados na íntima magia
dos sons, das cores, das formas, das ideias ou das palavras,
partilham sentimentos, imagens, ideais e sonhos.
Ambos choram e riem, recebem e dão.
O coração acompanha o ritmo da vida, esfuziante.
E dá-se a Comunicação, que não tem espaço nem tempo.
Como se fossem Um, unidos pela Obra, agora comum!

6 comentários:

  1. Quando o espectador se fascina, o artísta relembra o que viu, repara que o seu ver não é único (ou o verdadeiro). Talvez o artísta veja arte na reacção do espectador à sua arte e por isso misturam-se, ambos percorrem os mesmos tudos e nadas. Tal como "A Tradutora" de Peixoto nos diz "não existimos sozinhos, sorrimos quando paramos,/quando nos encontramos aqui."
    Um "Pensamento fugaz" muito interessante, BlueChild. :)

    ResponderEliminar
  2. Não é fácil esse toque. é como uma musica, uma tela. não basta conhecer a obra, a mensagem. digo o verdadeiro contacto, aquele que por momentos pode ser a ilusão do observador ou então a partilha da verdadeira essência. mas acredito que apesar de tudo ser transitório, momentâneo, desertor, errante ou não, por momentos ambos se tocam e partilham a mesma alma, a mesma luz. belo BlueChild mais fácil quando o espectador reconhece o artista…

    ResponderEliminar
  3. O mais interessante na comunicação autor/público é que nestes momentos de aproximação cada um leva a sua bagagem e "lê" de acordo com ela. Nunca há contacto total e no entanto existe troca. E a experiência é diferente para cada pessoa. Não há obras individuais, precisamos do outro para completá-la. Não há uma só obra, mas muitas, tantas quantas as "leituras". E isto é perfeito. Excelente reflexão Bluechild.

    ResponderEliminar
  4. Eu diria que o contacto total seria fazer amor com a obra!

    ResponderEliminar
  5. Sim existe. e este foi um desses momentos em que espectador e artista que escreve é uno.

    Ainda bem que estou na plateia a ler e a escutar. Mas não sou sou espectador. apenas um figurante fora de palco, para melhor aprecia.

    muito bom

    ResponderEliminar