quarta-feira, 29 de junho de 2011

Cinzas




Na fatia de tempo que sucede o último suspiro e a queda na noite,
As irmãs siamesas
Impulsionaram-se em música.
Com a ponta dos dedos, extensão do coração, e as cordas da viola, extensão das da voz
Porque não suportavam a maresia.


Na véspera do solstício,
O vinil
Tocava chorinho chorando
E abrindo os olhos do mundo com a sua nudez
Porque a voz assim o ordenava.

Na quarta-feira de cinzas,
O velho preto com uma pala no olho direito e guitarra nas mãos
Sibilou como um réptil ao ouvido da presa
Como quem cauteriza a sua própria ferida
Porque tinha necessidade de vestir-se em sonâncias.

No momento em que a lua atordoa os telhados,
A amante morta
Inventou um país sem rios
Com os seus dedos de aranha
Porque não podia ceder à perda de memória.
Porque o amor que encontrou ao virar da esquina perdura na memória, na voz, nos gestos.
Marcado na alma e preso na palma da mão.

Todos os dias,
O homem que desenha mapas

Come pétalas de rosas
No ponto continuo costurado entre ele e a agulha
Porque anseia estar só e desligar o caos que a todos nos une.


E eu
Escrevo uma poema
Sentado no chão encostado ao segundo poste, depois das escadas da velha casa com faixa azul, onde te pedi um fio de cabelo.

6 comentários:

  1. Uma galeria de personagens dignas de um filme do Tim Burton. Adorei. :)

    ResponderEliminar
  2. Um poema que nos transporta... sem ponto de partida ou chegada :)

    Boas-vindas aO homem de vinil e a amante de mãos siamesas

    ResponderEliminar
  3. Um poema heterodoxo, em que a substância do "eu" poético se perde nos "outros".... :) Muito interessante. Esperamos mais textos homem de vinil e amante de maõs siamesas.

    ResponderEliminar
  4. O nome do autor um título de poema. o poema uma canção. belo.

    Anamar
    (não consigo comentar com o meu link:-(

    ResponderEliminar