segunda-feira, 27 de junho de 2011

Solta(S)










trémula a folha



cai



em sangue o Outono



.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.




visto-me de ti



em nuances de fogo



o olhar mareado de lágrimas estivais




.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-




dormes no meu corpo



o son(H)o



virgem guerreiro sem tempo




.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.




busco num poema



a força



do carvalho refeito cor(es)




.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.




sei o som



da morte



da vida em musica celebrada





VIVO

3 comentários:

  1. Gosto da forma como marcas os momentos da tua poesia, num tom
    vivo :)

    ResponderEliminar
  2. Exagerei no tamanho da letra :-(
    "desformatou-se..."

    o
    b
    r
    i
    g
    a
    d
    a
    ;-))

    ResponderEliminar