Pó dos Livros



Tenho Arquivado na minha Memória Digital…
O Pó dos Livros Amadurecido em Casta de Papel Timbrado…
Projectado numa Alma que Não Sei se Existe…
Mas que Ouço em Surdina nas Entrelinhas das Palavras…

Tenho a Partitura dos Afectos na Minha Memória Digital…
O Pó dos Livros Amadurecido em Casta de Papel Timbrado…

Quando Inspiro a Fragrância do Imprevisto ao Deslizar de Página em Página…
Quando Acordo a Criança que Dormita no Silencio do Meu Âmago…
Quando Sopro por Entre Dedos as Labaredas da Recordação…

Tenho Arquivado essa mesma Partitura de Afectos…
Pois sou o Sumo Pontífice das Histórias que Inventei…
Ao Saltitar Impunemente nas Margens Flácidas do Tempo…
Ao Usurpar Revigorando o Frenesim Shakesperiano das Palavras…

Viajei numa Odisseia de Homero até ás Cinzas de Ângela…
Evadi-me Epicamente pela Sagaz Loucura de Pessoa…
Libertei a Nostalgia Circense do Universo da Fantasia…

Tenho Arquivado na minha Memória Digital…
O Pó dos Livros Amadurecido em Casta de Papel Timbrado…

Consegui Recitar As Palavras que Nunca te Direi…
Consegui Ressuscitar o Herege que na Vida Queimei…
Fui o Caderno Proibido nos Sonhos de Alba de Céspedes...
Fui o Processo e a Extrema Unção de Franz Kafka...

Sou o Espartilho Diluviano que Anoitece na Mágoa da Incerteza...
Sou a Máscara de Monte Cristo aos Olhos da Lua Nova...

Em Casta De Papel Timbrado...
Adormecido num Tempo Arquivado numa Qualquer Memória Digital...

Restou o Dolo...
Imputável...

E o Pó dos Livros...

Comentários

  1. extremamente envolvente
    a mim angustia-me pensar nos livros que não li nem nunca lerei e que tanto queria ler... e reler

    ResponderEliminar
  2. Pó mágico... Uma fantástica homenagem aos donos do pó :)

    ResponderEliminar
  3. "Tenho Arquivado essa mesma Partitura de Afectos…
    Pois sou o Sumo Pontífice das Histórias que Inventei… " - Muito bom.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário