quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Era verão nos nossos corações
E noite nas terras distantes.
Era a escuridão, como um presságio,
Que descia sobre as palavras
E, morbidamente, dissecava o silêncio.
Já não tenho forças
Para pousar a minha mão sobre a tua
E levar-te a passear naqueles fins de tarde
Nos jardins de fogo suspensos.
Já não tenho forças para partir
Para o país onde ardem tempestades,
Onde todas as crianças sonâmbulas
Vêm adormecer nos meus braços.
Era verão nos nossos corações.
A noite desce sobre mim.
Sou este corpo, quase sem existir,
Atravessado pelo vento.

Paulo Eduardo Campos, In “Na Serenidade dos Rios que Enlouquecem”.
Ed. Amores Perfeitos, 2005

2 comentários: