Era verão nos nossos corações
E noite nas terras distantes.
Era a escuridão, como um presságio,
Que descia sobre as palavras
E, morbidamente, dissecava o silêncio.
Já não tenho forças
Para pousar a minha mão sobre a tua
E levar-te a passear naqueles fins de tarde
Nos jardins de fogo suspensos.
Já não tenho forças para partir
Para o país onde ardem tempestades,
Onde todas as crianças sonâmbulas
Vêm adormecer nos meus braços.
Era verão nos nossos corações.
A noite desce sobre mim.
Sou este corpo, quase sem existir,
Atravessado pelo vento.

Paulo Eduardo Campos, In “Na Serenidade dos Rios que Enlouquecem”.
Ed. Amores Perfeitos, 2005

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

#LoveLetter_AITD