segunda-feira, 15 de agosto de 2011

O acaso das capicuas

Anna despiu-se de todas as roupas, abandonou todas vergonhas, largou todos os medos, olhou-se de frente e virou-se do avesso, mirou o seu exterior e expôs o seu interior... Tudo, à procura da essência... Mas do princípio para o fim, de dentro para fora, de trás para diante, ela lia-se sempre da mesma maneira. Não havia nenhuma diferença, nenhuma novidade, nenhum disfarce, não havia mais tentativas nem experências a fazer, não havia mais nada fosse correndo num sentido ou tentanto qualquer outro. Ela era a mesma, sempre. Ela era apenas ela. Não havia nada mais do que Anna. Anna, apenas Anna, de frente ou de costas, vestido ou nua, sozinha ou só na companhia de velhas tatuagens desbotadas pelos anos passados e das histórias esquecidas... Mas um dia, em vez de olhar para si Anna olhou em seu redor... E viu Otto. Nesse instante, em que Anna viu Otto e em que Otto viu Anna, os seus nomes, os seus corpos e as suas almas viram-se espelho um do outro. Anna e Otto reconheceram-se no mais fortuito dos acasos de duas capicuas solitárias.

*

Anna e Otto ainda encontraram-se pela primeira vez no sofá dele à hora da sesta. De costas um para o outro, numa cadeirinha mal construída, num 69 equivocado, lá dormiram uns minutos de sobressalto. Ao acordarem de sonhos indizíveis, sacodiram a poeira, disfarçaram a preguiça e a luxúria, e abandonaram rapidamente aquele espaço demasiado apertado para os seus corpos ainda desencontrados. Mas, sem ninguém se aperceber, enquanto os cérebros voltavam rapidamente à labuta, deixaram ficar no sofá as suas almas enroscadas.

*

Anna e Otto ainda andaram perdidos nas cidades da vida e nos espaços do mundo. Reencontram-se, finalmente, no tempo de uma sexta feira à tarde, chuvoso e frio, na esquina da rua dela. No instante do cumprimento ansiado tropeçaram num buraco do bairro desarrumado e, abraçados, afundaram-se no concreto.

4 comentários:

  1. You know how to make an entrance, no doubt! :)

    ResponderEliminar
  2. Continua com a tua criatividade, fiquei deslumbrado. Obrigado.

    ResponderEliminar
  3. "Anna despiu-se de todas as roupas, abandonou todas vergonhas, largou todos os medos, olhou-se de frente e virou-se do avesso, mirou o seu exterior e expôs o seu interior... Tudo, à procura da essência..."

    Não consigo dizer dizer mais...

    ResponderEliminar
  4. "a procura de essencia"...encontros e desencontros, adorei!

    ResponderEliminar