O Tormento de Deus (Parte III e final)



Nas sombras ergue-se discreto um olhar de um vulto. Absorto pela dor que contempla, fixa os seus olhos no cordeiro, enquanto este é arrastado pelos verdugos, segue a procissão do seu calvário com ansiedade. Está entre sombras, o espectador, estático e mudo de pesar. O medo verga-o até ao chão, para lá da linha do horizonte perdido, onde a fé dos homens se desvanece entre o frenesim das hienas e abutres. Fede a morte. Tornou-se morte. Morte de toda a fé dos homens, perdido num horizonte longínquo, a vogar desolado, entre risos de escárnio e vigílias dos oportunistas. Está perdido, o vulto, dentro das sombras que infestam a sua mónada, agrilhoam seu corpo à pesada pedra, que se afunda, afunda no negro abismo, afunda no rio que a todos nos aguarda. E o mundo, envolto em gritos dos condenados, arde em violentas chamas. Tudo isto ele agora pode ver e sentir, dentro de si, para além do seu olhar, perdido no horizonte indefinido.

Passa o cordeiro, espalha o sangue entre as pedras do caminho, aspergidos de sangue e desespero, os espectadores do calvário atónitos, estáticos ou em desespero assistem ao principio do fim dos tempos. A ilusão desenvolve-se nas suas mentes, entre frémitos inquietantes quase orgiásticos, atropelam-se, agridem seu irmão e espezinham sua mãe por um lugar à frente, na prima linha, para sentir o cheiro do sangue, o cheiro do desespero, tocar nas vestes do acossado Messias. O nosso coração está preso por uma linha, essa linha é a correnteza do rio que nos aparta. E o que nos aparta, é a morte. Morte de toda a fé, fé na morte do cordeiro. Fé que a morte do cordeiro nos salve, que Deus seja apaziguado de toda a sua fúria, pois Ele é seu Filho, feito à Sua imagem e semelhança, mas agora caminha para o tormento final, seu e de seu Pai, a desolação que a todos nos une e aproxima, a assembleia de testemunhas prepara-se para o julgamento, decreto da pena, condenação, castigo e eterna absolvição. Pois o cordeiro carrega em si todos os nossos pecados, pois o cordeiro leva em si a marca da pureza, pois no cordeiro depositamos a nossa fé, de que os dias do futuro serão de bonança e abundância, de paz e amor, de liberdade e solidariedade, de união entre os povos, de redenção de todo o mal oferecido pelo Anjo caído.


Mas o vulto, entre sombras sabe que não será assim. O vulto, devorado pelas sombras, conhece a razão do desgosto dos céus, ele é a raiz do tormento que enche os céus de fel e pestilência. Esgueira-se para a frente do espectáculo, assoma o condenado e perfila-se diante dele. Embebido em torpor, tenta em vão dirigir-lhe uma palavra, dar um passo em frente, fazer algo que seja para capturar a sua atenção.


Cordeiro de Deus, porque não suplicas por tua vida?


E enquanto atravessa toda a vila, com a morte ao seu lado, entre gritos animais e desespero, entre a farra da decadência dos que exultam o seu sacrifício, o cordeiro claudica. Definha a linha de tempo que desafia toda a lógica, esquecem-se os homens de sua fé, abandonam o Paraíso, renegam a Mão divina que se estende e condenam as suas almas ao inferno. Assentes na fé cega e temor aos céus, os dias do futuro serão assim, conduzidos pelas bestas de força, entre gritos e chamas, por entre a luxúria e ganância, loucura e sede infinita de poder, homens que irão devorar a terra e tudo que há nela e os fracos jamais irão herdar a Terra do Senhor.

E ao contemplar a cruz, onde ficará entronizado para a eternidade, o cordeiro recorda a decisão que tomou, em consciência, há três noites atrás…

(...)

- Tudo faria por vós, tudo farei por vós. Mesmo que se abata sobre mim a ira do Senhor.
- Judas, perdoa-me, pois este fardo não é teu para carregar, mas eu não consigo nem posso, meu irmão, não está ao meu alcance abraçar os desígnios do Pai dos céus, não serei o ungido que apregoam, pois não acredito em meu coração que deverá ser pelo medo e dominação que o homem chegará à iluminação. Sou um mensageiro, meu irmão, um adornador da realidade, mas não sou o salvador que o mundo quer recordar como a água que lava todos os seus pecados, aquele que será recordado sob a cruz. Mas tu meu irmão, és abençoado, o verdadeiro filho pródigo. Pois em teu poder está a minha libertação e a de todos os homens de fé. Terão o seu Messias e eu serei livre para desaparecer da face do Mundo e da memória dos homens. Quem sabe assim, vestindo outras vestes, mudando de nome, exilado noutras terras ainda poderei trazer ensinamentos aos que vivem sem a palavra de meu Pai. Preciso de ti irmão, preciso desta oportunidade de me transformar, abandonar a pele do cordeiro e ser eu mesmo, livre da Sua mão em meu ombro, só perante o mundo, aluno e mestre, visitar outras paragens e gentes, espalhar a palavra de que o poder não está nos céus mas sim na mente e coração de cada um de nós. Amo meu Pai, mas morrer para ele e por todos quantos me bajulam em nada irá servir. Deus está só, no seu trono, entre música das esferas e adulação dos anjos. Mas em terras estranhas vi povos que muito sabem de outros conhecimentos e nada sabem de meu Pai. Preciso de descobrir a razão, a raiz da sabedoria, banhar-me na filosofia e renascer para o conhecimento, a verdade da matéria e do pensamento. Para além da fé, deverá existir outros mundos. Por isso, preciso de ti, ó Judas, que aceites o supremo sacrifício e lhes dês a fé que pensam precisar. Pois eu tenho que descobrir se outro futuro é possível.

- Por ti, Jesus, cometerei a suprema heresia. Agora ajuda-me meu irmão, chegada é a hora da transformação. Adorna-me com tuas vestes e ilumina a minha face. Por Ti, serei o cordeiro!

Naquela noite, Deus perdeu o seu filho. Pois tão grave seria a farsa que para toda a eternidade iria viver em profundo tormento. Deus todo poderoso olhou para baixo e perguntou-Se: Filho, porque me abandonaste?

Nas sombras ergue-se discreto um olhar de um vulto. Absorto pela dor que contempla, fixa os seus olhos no cordeiro, enquanto este é arrastado pelos verdugos, segue a procissão do seu calvário com ansiedade. Jesus, o Cristo, devorado pelas sombras que dissolvem a sua fé, conhece a razão do desgosto dos céus. Esgueira-se para a frente do espectáculo, assoma Judas, o condenado, e perfila-se diante dele. Embebido em torpor, tenta em vão dirigir-lhe uma palavra, dar um passo em frente, fazer algo que seja para capturar a sua atenção. O falso profeta cruza um último olhar com o falso cordeiro, enquanto os seus carrascos o prendem à cruz.

De Profundis Clamo Ad Te, Domine. Das trevas apelo a ti, Pai. Recebe este cordeiro em sacrifício, sem desonra nem vergonha. Condena-me a mim, que tenho dúvidas, condena-me a mim que serei fraco e egoísta, pois esta será o meu legado menor, o fruto das sociedades vindouras, o princípio do final dos tempos. Vaguearei muito para além do Vale da Morte, sem bordão, sem compaixão. Escreverei no pó a tua história Pai, para nunca ser encontrada, lida ou contada. Pois acredito profundamente que haverá outro caminho para os homens, para além da fé e da entrega a algo que só podem sentir, nunca ver ou tocar. Preciso de saber Pai, como vivem e porque vivem aqueles que durante eras passadas, nunca tendo ouvido falar de Ti, são sábios e prósperos. Partirei para Oriente e irei indagar entre homens de lei e de filosofia, sábios, artífices, monges e mestres. Tenho que saber, Pai, o que há para além de Ti, pois eu, nada sei, nada sou e no entanto sei que nada sou perante a grandeza de tudo aquilo que me transcende. A iluminação poderá estar para além da crença, tenho que saber, ou morrer a tentar descobrir.

Atormentado e em desesperante agonia, o Pai revolta-se contra os pecadores, cegos, estúpidos e imerecedores de seu reino. Foram incapazes de ver para além da pele do cordeiro, incapazes de perceber quem era o Seu filho, incapazes de perceber, entender e guardar a mensagem, incapazes de separar a fé da realidade. Mas este era o Plano, um mundo em que o homem se deveria desconhecer a si mesmo e, cego, oferecer-se à palavra imutável e inquestionável do Senhor. Todos aceitavam o Plano, menos o Seu próprio Filho. O céu está em fúria e para sempre, fechado.

A humanidade, dominada pela força da fé e da vontade em crer nas palavras duras de quem nos queira dominar, conhecerá o seu esplendor, subirá ao mais alto patamar de Babel, para depois cair, cair no abismo das trevas, apagar-se de Sua memória, num último extretor, devorada por chamas, o Mundo que assentava a sua ordem na fé, doutrina e jogos de poder terminará em gritos…




Resta-nos a esperança que, algures em suas viagens, o destronado tenha colhido e semeado um admirável mundo novo, que irá brotar das cinzas do caos e destruição para onde caminhamos. Então, em Glória, Igualdade e Fraternidade, fundaremos um novo e harmonioso reino, assim na terra como no céu.

Comentários

  1. Todos os pormenores estão primorosos: o Judas que se entrega ao sacrifício e não trai; o Jesus cem por cento filho do homem que procura respostas em vez de dá-las e que enfrenta a ira do pai pelo fogo do conhecimento; o Deus ultrapassado que se revolta com o facto dos homens não verem para lá da fé...
    Subversão total...Adorei, claro.

    ResponderEliminar
  2. excelente!!...de muitas coisas... tantas que nem posso saber onde isto me vai levar, mas com certeza para ainda mais perto de mim e do proximo...adorei.

    ResponderEliminar
  3. "Misericordia tua magna est super me". Foram as primeiras palavras que me surgiram na cabeça.
    Nuno, que força detém o teu baú da cave :)

    ResponderEliminar
  4. ´
    Há fé, a fé incutida por um Deus que faz dos homens os seus escravos. O poder do Pai não pode ser contestado. Há que torturar o cordeiro, fazê-lo sentir a dor pelos pecados cometidos, retomar o Poder sobre os homens. E estes assistem ao espectáculo, como os espectadores das arenas de Nero assistam, com pesar, à morte do homem. Tão falsos como eles e, como eles, tão verdadeiros, porque não sabem da sua manipulação.
    O vulto sabe, suspeita, recua. É o simbolo da verdade. Mas não sabe que Judas tomou o papel do cordeiro, para permitir um mundo melhor.
    Um mundo dominado por um Pai, que tortura o Filho para manter o medo.

    Mas há um vulto, que és tu, eu, outros. Que observa, que tenta intervirir. A fé é uma fraude,um filme, um matrix. É na fé, no pecado, na culpa e na redenção que reside o poder do Pai.

    Mas o Filho vai mais além. Judas é um falso cordeiro, e por isso traiu o seu mentor, em nome da verdade.

    A traição é a traição a uma verdade exclusiva de Deus. Que nos aprisiona. Por isso Judas não é traidor. Só ao Deus supremo e egoista, que impede o homem de trilhar outros caminhos.

    E é isso que o homem, feito Filho, pretende.

    Fernanda Guadalupe

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

#LoveLetter_AITD