de Costura



Máquina
Que pára
Ao ponto
Redondo
Perfura
A agulha
Um sinal
Sem cura.

Máquina
Que anda
À linha
Recta
Prende
Bainha
À Vida
Encoberta.
Máquina
Que sofre
Ao lado
De mim
Motor
Que gira
Numa carretilha
Sem fim.
Máquina
Que sabe
Ao nascer
Sorrir
Quer
Parecer
Para nunca
Iludir
Máquina
Que escuta
O pedal
De metal
Cortou
Estancou
E por fim Assentou…
...uma mortalha.

Comentários

  1. Eu venho
    aqui
    ler, beber
    sentir
    feliz
    por saber
    poder
    sorrir, gostar.

    ResponderEliminar
  2. Poesia pura, finalmente... Se bem que nunca li um texto teu que não fosse um poema. Como sempre, alto, muito alto.
    [Eu prometi que não voltava a insistir, mas tu tens de ser lida por mais gente. Faz-te publicar, por favor, miúda]

    ResponderEliminar
  3. És uma alma Iluminada e Elevada minha querida. Produzes um efeito mágico no "outro". Aquele que se deslumbra e encanta com tudo o que escreves onde revelas e partilhas o teu grandioso mundo, o teu lindo e invulgar interior.

    Beijinho no teu coração enorme. :D

    ResponderEliminar
  4. é uma chave preciosa...uma ajuda para começar uma grande viagem...obrigado Inês:)))

    ResponderEliminar
  5. Simplesmente fantástico. Tal como fiz para a Natália, presenteio-te com a frase que nasceu com o meu acordar de hoje:

    "A minha maior virtude
    É a de ser palhaço
    Fazer rir os outros
    Quando a mim me apetece chorar"

    Beijos grandes

    ResponderEliminar
  6. ... como é que eu ainda não deixei claro o quanto achei este texto fascinante!??!?

    ResponderEliminar
  7. Simples. Intenso. Assim como uma menina de vestido encarnado brincando com o lado menos risonho da vida. E ainda assim, toda ela luz!!!
    Um beijo de alguém que algum dia gostava de escrever assim. Beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário