O remo




Tenho tudo tão apertado cá dentro. Abro os olhos e com uma certa mágoa levanto-me. Eles ainda ardem, mas mesmo assim olho para o horizonte e penso que nunca vou chegar a ele. Começo a andar à beira-mar. De repente oiço o meu nome a ser chamado e volto-me para trás. O corpo continua onde estava e com um sorriso irónico diz-me “cobarde”.
Só quando a espuma da onda chegou à ponta dos meus dedos é que reparei que…
Lembro-me do toque suave das tuas mãos e apetece-me agarrar a onda como se por segundos pudesse entrelaçar os meus dedos nos teus.
É que reparei que... continuo sempre no mesmo sítio. Por mais que ande, tenho sempre o corpo preso, à beira-mar, àquela areia e a suplicar por algo que quero, mas nem para isso tenho coragem. Nunca vou chegar a ele.

“Cobarde”

Cala-te!

“Que linda falua,
que lá vem, lá vem.
é uma falua que vem de Belém…”

Não há faluas em alto mar. Cala-te, cala-te!

“Eu peço ao Senhor Barqueiro
que me deixe passar,
tenho filhos pequeninos
não os posso sustentar…”

Não os posso sustentar, não posso! Eu sei que não posso! Ele é tão pequenino, tão grão de areia que nem sei se tenho realmente sonho…

“Passará, não passará,
algum deles ficará,
se não for a mãe à frente,
é o filho lá de trás.”

Cala-te monstro! É tão pequenino, não fiques com ele também. Maldito sejas, maldito corpo do inferno!
Lembro-me do toque suave das tuas mãos e apetece-me agarrar a onda como se por segundos pudesse entrelaçar os meus dedos nos teus.

“Cobarde”

Voltei-me e continuei a andar, sem olhar para trás, enquanto ele continuava a cantar a mesma música com o mesmo sorriso de nojo. Cobarde, por não saber realizar os meus sonhos, cobarde, por não saber viver, cobarde, por não saber morrer, cobarde, por… por…
Olhei de novo o horizonte. Não vou chegar a ele. Mas quero-o tanto, tanto, tanto… Talvez se correr, talvez se suster a respiração, talvez se nadar com muita força, talvez se… tivesse um barco. Desvio o olhar de novo para o corpo. Parou de repente de cantar e ficou com um ar muito sereno a olhar para mim. Tão sereno que até nem parecia o mesmo corpo. Naquele instante senti que tinha conseguido alguma coisa… um barco. Como pude ser tão ignorante… um barco! Quando me voltei de novo para o horizonte ouvi nas minhas costas um novo sorriso irónico.

“Cobarde, não sabes remar…
Um barquinho ligeiro andava
ligeirinho andava no mar.
a nuvem passou,
o mar se agitou…”

Lembro-me do toque suave das tuas mãos e apetece-me agarrar a onda como se por segundos pudesse entrelaçar os meus dedos nos teus.

Comentários

  1. "brilhante, límpido, claro, preciso. Que demonstra pleno uso das palavras que lanças como sementes!gosto tanto Inês!!!

    ResponderEliminar
  2. Ui... sensitivo desta vez. Ainda muito bonito, como sempre.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário