segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

FÓRMULA



Quis provar-te a mecânica dos seres
Quando em mim provaste a fórmula do entendimento
Confirmámos os dogmas da química improvável
De nós dois
Para depois
Testarmos a dinâmica inegável


Apostas na certeza do que somos
Apostas na memória do que fomos
E dizes-me
Ao ouvido
Meu querido
A soma de um mais um faz sentido


Simetria de dois corpos encontrados
União elevada ao quadrado
Não percebes? Eu explico.

E eu fico...

5 comentários:

  1. a beleza dos números posta em palavras. é como fazer o impossível: dizer tanto e tão complexo sentir de uma forma tão simples, clara e bonita. :)

    ResponderEliminar
  2. Criar boas fórmulas é difícil... mas para ti surgem assim, como se fossem uma equação fácil :)

    ResponderEliminar
  3. Aqueles que conhecem uma parte da tua história sabem que este poema é uma síntese perfeita desse tempo de antíteses, de emoções extremas, do verbo querer.... nos dois sentidos. Não precisas explicar..

    ResponderEliminar