Porque trajas de tão negras vestes?
Porque jejuas a vida e te curvas na imensidão do vazio?
Porque te escondes atrás do abismo,
esperando a noite que nunca chega?

O que haverá, para além da tal besta sadia que já nem procria?

Porque te entregas como cordeiro às mãos do desconhecido?

Comentários

  1. Caro Vulto, eu diria que fala na, e para, a 1ª pessoa...
    se assim for deixe-me lembrar-lhe da capacidade de nos reinventar-mos que habita o nosso interior mais recôndito, por vezes adormecida mas sempre presente...

    O Produto da Procriação das Almas Sensíveis e das Mentes Prodigiosas será sempre uma mais valia para a Humanidade...
    Avance !! Eu estou consigo !!

    ResponderEliminar
  2. Aleluia, habemus texto! :) Depois de muito jejum, cá temos um daqueles teus poemas, curtos e cortantes, intensos e inquietantes. Gostei muito. Quero ver mais! :)

    ResponderEliminar
  3. Porque...
    Porque ficas tanto tempo sem postar? :)

    ResponderEliminar
  4. Gosto muito da brevidade nas tuas palavras. Por vezes bastam duas para fazer uma frase e em cada interrogação que levantas (sem resposta) sinto que podiam ser de mim para mim ou para outra pessoa (espelhada). Gostei muito.

    ResponderEliminar
  5. Muito bom. Uma interrogação intensa. Quase em forma de haiku...
    Parabens!

    Fernanda Guadalupe

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

#LoveLetter_AITD