Pões-me doido

[Uma do fundo do baú.]

Espreito pelo buraco na lona
e vejo-te nua e lânguida,
parada e mexida.
Vou e mordo de raiva os teus lábios,
e perco-me a endireitar linhas
quando ergo as tuas mãos que são minhas.
Toco os teus lábios encerados,
e absorvo o perfume leitoso
enquanto olho o teu queixo charmoso.

Comentários

  1. Bom para os dias frios, este teu texto ;)

    ResponderEliminar
  2. Um poema que se sente "rápido" mas ao mesmo tempo com gestos lentos, que se conseguem visualizar como num filme...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Afterglow

Desafio: Reminiscência rasgada

Frio....está frio...