Mãe d'água



É o frio do vento salgado
e a espuma das maçãs
que reencontra lentamente
a minha voz.

São
os morangos silvestres
e
a música italiana
que me põem o vermelho na boca.

É a terra de cor quente
que pertence às árvores,
à água
e às pedras cor de vidro.

São os silêncios
dos meus cabelos esvoaçantes
porque
o leite dos figos
faz feridas
no coração
e
subir às árvores
é
tentar ver-te
por entre os telhados de música viva.
1982; Julho; Diário Prateado

Comentários

  1. nascem letras, formam-se palavras, desenha-se poesia

    ResponderEliminar
  2. e por entre os telhados naquele cantinho sonhado, suspirado, naqueles dias sem fim:)

    ResponderEliminar
  3. Este poema... tem som, olhar, toque, aroma, sabor que apetece repetir :)

    ResponderEliminar
  4. NÃO SERI A QUEM ME DIRIGIR..
    CHEGUEI A ESTE BLOG
    ATRAVES DE UM SEGUIDORA MINHA..
    GOSTARIA DE PODER DIVULGAR AQUI MEUS TRABALHOS!! COMO POSSO FAZER?? ALGUÉM ME PODE AJUDAR..
    CUMPRIMENTOS, JOAQUINA

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

#LoveLetter_AITD