Briófita em sol maior



No primeiro degrau de baixo
quando faltavam três colcheias para a hora
bebias chá de rizóide
e eu, de pensamentos pianíssimos
fazia soar o desequilíbrio
(mas o teu modo fixo não te deixava cambiar o olhar).
No primeiro degrau de cima
muitas pulsações antes da hora
ao paladar da brisa matinal
doei a minha fotossíntese à escada
mas, quando o sol aconteceu
sorveste chá de filóide
perfuraste as gotas de orvalho
e eu, olhando para cima
de pensamentos fortíssimos
soube que não podia acompanhar-te.
Esperei.
No degrau do meio
antes de ouvir o acorde da primeira gota
aqueci entre as mãos chá de caulóide
“Queres?”

Quando as escadas tinham musgo
e os pés eram de orvalho
a troca de olhares fazia parte da queda
a nódoa negra era entendida
e eu via-te através do acumular de sangue.
Doía o levantar
o fingir a ofensa
sacudir a clorofila e dizer indiferenças à desculpa.
Na verdade
o molde do degrau do meio fazia parte do beijinho
(aquele que corta os pulsos à mágoa aguda).

Comentários

  1. Ena! Atingi um novo patamar!
    Consigo identificar os teus textos pelo titulo!
    Delicioso...

    ResponderEliminar
  2. Curiosamente, hoje não adivinhei ser teu. Escreveste duro, pesado,como as passadas num degrau.No do meio;) Mas continuo a gostar ;)

    ResponderEliminar
  3. Gostei, mas estou ansioso por que chegues a um novo patamar...

    ResponderEliminar
  4. Não vou dizer que é bom... já sabes. Poema complexo, velado, difícil de alcançar. Muito pessoal, quase a entrar no domínio do inconsciente. Duro, portanto, .... para ti que o escreveste e para o leitor, que constroí em torno das tuas palavras...

    ResponderEliminar
  5. Adorei. Fez-me recordar um beijo nas escadas e um chá muito especial:-)
    Lindíssimo.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário