Dormência


(Anathema - Sentient)

Não posso negar.
Cada vez que oiço a água a correr por entre as pedras, penso em ti
Sempre que os olhos me doem de ver tanta luz, penso em ti
Quando sinto o inverno a chegar à minha janela, penso em ti
E se procurar o pedaço que falta na minha alma, procuro-te a ti…

Por mais que eu tente, por entre nuvens de horas e pó dos anos
Por muito que tente recordar o peso que as palavras tinham em minha boca
Por tanto que passei só para poder esperar eternamente, paciente
Por tudo o que faria só pelo prazer de beijar a tua boca
Por tudo o que há em ti, que eu sinto que falta em mim

Eu caminhei mil vezes em torno de mim mesmo
Procurava a resposta para as questões que nunca te coloquei
Percebi então que perante o universo finito só teria uma solução
Fugir de ti
Negar-te a ti
Perder-me a mim
Dormir… por fim

E enquanto sentia o frio do destino final
Deixei-me ficar aqui, a ver as nuvens de horas a passar, o pó dos anos a assentar
A tristeza, o pesar, a dor, nunca me deixou voar para longe
Longe de mim
Para perto de ti

E assim ficarei,
Para sempre a contemplar o reflexo vazio que refulge por entre as teias do espelho
Para sempre a murmurar a cantilena que me embala neste pranto baixinho
Uma sombra de mim próprio esconde-se na noite selvagem
E à medida que os sentimentos crescem no meu âmago
Saberei de ti
Sentirei por ti
Negar-me-ei de ti
E saberei
Que morrerei aqui
Completamente só
Sem sombra de ti

Para sempre nesta dormência que nos embala
Tu, guardada na minha memória
E eu partirei por fim
Sem que no mundo haja memória de mim

Comentários

  1. Usando palavras tuas, este texto "embala", deperta "sentimentos", permite "voar" e fica na "memória". Não preciso dizer mais nada :)

    ResponderEliminar
  2. hum...pois eu sinto que no mundo vai ficar memória de ti...adorei e voei :)

    ResponderEliminar
  3. não há fantasma que assombre mais do que aquele que amámos. Um poema cheio de tristeza, belo e intenso. Ainda se ama assim?...

    ResponderEliminar
  4. Magnúifico poema Nuno.
    Siempre he sabido que el rostro es el reflejo del alma y tu rostro es pura limpieza y poesía. Podría decirse que posees elegancia en tu alma.

    Puedes escribir en portugués pues, además de que lo entiendo todo, aprendo.
    Un abrazo.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Afterglow

Desafio: Reminiscência rasgada

Frio....está frio...