Hora das Estrelas



A hora de dormir para ela era especial, não porque tivesse sono ou já não quisesse mais brincar, mas simplesmente porque era a hora de ver as estrelas. Saltava para a cama e pousava nela como se fosse uma pena, depois, de bruços colocava a cara na almofada de forma a fazer pressão nos olhos. Assim começava a “hora das estrelas”, aquelas que se vêem dentro dos olhos quando estes estão fechados por fora mas abertos por dentro.

Não era muito confortável aquela pressão nos olhos, mas para ela compensava. Estrelas mágicas de várias cores que se movem, que giram, umas mais depressa do que outras, que aparecem e desaparecem, que tilintam ou mantêm o brilho estático… E o melhor é que isto tudo acontecia dentro dela própria.

Respira… respira… respira… os pulmões imploravam para respirar, mas ela ia sempre até ao limite tal era o encanto. Inspira! Expira! Inspira! Sorriso e novo mergulho. Aquelas estrelas nunca se esgotavam, pareciam mesmo que se multiplicavam por cada nova tentativa de vê-las. Eram mesmo muitas, e cada vez mais encantadoras. A menina pensava “quantas pessoas estarão também a ver estas estrelas neste preciso momento?” Para ela era impensável que mais ninguém fizesse isto todas as noites, aliás, o mundo ia ser muito estranho se tal não acontecesse.

Mas o mundo é mesmo muito estranho. Hoje, a menina já não faz isso antes de dormir, mas sim de cada vez que quer fazer uma “pausa”. Não chamo a isto fugir, mas sim olhar para dentro e ver como simples estrelas nos podem ensinar a ver o mundo. Por vezes, precisamos fechar os olhos completamente para voltar a conseguir abri-los com o mesmo brilho que tínhamos no olhar quando éramos da idade da menina.

Sabe que horas são?

Comentários

  1. Inês a que horas vamos ver as estrelas?? já o disse, mas vou repetir es unica:)adorei!

    ResponderEliminar
  2. Inocente e mágico. Gostei muito. Vou ali ver estrelas e já volto. :)

    ResponderEliminar
  3. a arte da fuga, descrita com doçura e suavidade
    tens um estilo único

    ResponderEliminar
  4. Adoro. E revejo-me de tal maneira que quase me arrepia.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário