Hoje é dia...



Há dias que acordam assim - cinzentos. Vestem-se de neblinas e combinam-se em tons degradé da cabeça aos pés. Há dias em que o céu é um edredon branco e a paisagem um enorme lençol incolor, que não convida a deitar, a sentar, a permanecer – um pouco. Há dias em que a chuva nos afasta das ruas e nos manda recolher aos nossos lugares, aos nossos recantos, aos nossos lençóis coloridos. Há dias em que só nos apetece ser gota e escorregar por caminhos novos, sem rumo definido. Outros em que nos apetece ser edredon branco em Mundo colorido. Mas há dias, há dias em que nos apetece vestir de neblina e ser paisagem incolor. Passar pelos lugares sem sermos vistos. Falar bem alto sem que nos oiçam. Chorar e rir sem que os outros sintam. Há dias em que parece que somos só nós e o mundo, a paisagem, a neblina e as gotas, na certeza porém, de que é apenas um dia da nossa vida, um dia – no meio – de tantos dias.
Hoje é dia de…
Inspira e sente o cheiro da terra molhada. Fecha os olhos e ouve o cair da chuva no chapéu. Afasta-te do Mundo e comunga do que te está próximo – o cheiro, o som, o pisar que te devolve de novo a tudo o que te envolve. Aprecias as gotas nas folhas molhadas. Páras e pisas infantilmente as poças. Inesperadamente, estás a sorrir. Sozinha - naquele bosque – onde comungas com a natureza e inspiras o mesmo ar de todos aqueles que ouvem os teus pensamentos. O mesmo ar daqueles que te dão músicas de silêncios ritmados e inesperadas sensações. O frio corta as palavras, é como um galho na garganta, é como um tufão nos teus cabelos. Por momentos a tua cabeça pára, não pensa e consegues, finalmente, descansar. Dormir entre as folhas, de olhos bem abertos e sentir tudo de todas as maneiras, ali - naquele bosque.
Hoje foi dia...

Comentários

  1. Estive lá contigo. Em pensamento. :) Muito bem.

    ResponderEliminar
  2. Ora aqui está uma coisa que gosto muito de fazer, apreciar "as gotas nas folhas molhadas"
    Este teu sempre toque terapêutico nos textos... :)

    ResponderEliminar
  3. há dias e textos que não se esquecem...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário