Encarnes




Está a ver essa cicatriz que tenho nas costas? Levante a blusa e veja. Foi uma facada que o meu sogro me deu. É aquele que está sentado ali ao canto do quarto, está a ver? É ele, o pai do meu marido.

Espere, afinal a faca ainda está espetada... Podia tirá-la e fazer-me um penso? Um igual a esse que faz no meu pé. Acho que o meu pé vai cair qualquer dia, não acha?

Você não se cansa de andar sempre vestida de branco? É que o branco atrai muitas nódoas. Acho que deixei roupa branca dentro da máquina de lavar. Telefone para o meu filho, ele é capaz de estar em casa. A roupa não deve ficar muito tempo dentro de água, apodrece… não acha que ela apodrece? Eu acho que sim.

Olhe, e já agora pergunte ao meu sogro se ele quer que lhe faça também um penso. Ele é boa pessoa.

Já são horas de jantar? Não? Então quando forem horas venha chamar-me, não quero sair do quarto agora. A televisão que está na sala de refeições faz-me mal. Podia ir desligá-la? Ela é muito perigosa, nunca olho para ela. Foi ela que me fez isto ao pé.

Quando o meu pé estiver melhor vou sair daqui. Vou fugir! Posso deixar a faca aqui quando me for embora? É só para o meu sogro não conseguir espetá-la outra vez em mim.

Obrigada.

Comentários

  1. Conseguiste deixar-me de lágrimas nos olhos. E isso já não acontecia há uns tempos (a conjugação com a música também ajudou, admito). Super tocante, muito bem escrito e com enorme sensibilidade. Adorei, Inês.

    Ainda estou a pensar na barbaridade que disseste ontem sobre o teu jeito para a escrita... :)

    ResponderEliminar
  2. terrorismo psicológico (e físico)
    quantas destas vítimas te aparecem na sala de tratamentos?....

    bem vinda Inês, uma entrada em grande :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário