Quando a cidade adormece
e eu acordo sobressaltado com a minha própria respiração,
percebo que partiste e deixaste atrás de ti o perfume da minha humilhação

Percebo que os gatos que pisam periclitantemente o velho telhado
e os grilos que na penumbra cortam o silêncio à navalha,
me fazem querer gritar até as amígdalas implodirem
e a basílica vizinha implodir num repente.

1 Fogo extinto, o seu rescaldo, debandada progressiva, cinzas frias
o alinhamento deste canal televisivo demoníaco
A cortiça que é a minha garganta lasca-se em curtos intervalos
e a luz do candeeiro pendente lá em baixo, presencia este velório

O que faz de nós pedaços de papel amassado caídos ao lado de um cesto de lixo?

Comentários

  1. ... porque é que eu nunca li isto??? :D quem te ensinou a escrever assim? Está genial.

    ResponderEliminar
  2. Foi inspiração da chuva de hoje mesmo. Está para sair desde anteontem mas só agora quis sair.

    ResponderEliminar
  3. Saiu no momento certo, como sempre. V*!

    ResponderEliminar
  4. Floresta encantada. Momentos solenes de dores amansadas. Num fogo controlado pelo destino que somos NÓS.
    Adorei.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário